Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ANTÓNIO BORGES: UM VERDADEIRO CROMO

por oligofrénico, em 30.08.12

"O consultor do Governo António Borges afirmou hoje que o  programa de ajustamento financeiro está "a correr melhor do que se pensava", que  a bancarrota "desapareceu" e que, apesar de não estar "garantido", há "boas  probabilidades" de relançamento económico em 2013.

"O programa está a correr bem, digam o que disserem, o  programa está a correr melhor do que se pensava. E digo isto com conhecimento de  causa porque estava no FMI quando o programa foi desenvolvido. E acompanhar  agora a execução mostra que há muitas dimensões em que estamos bem à frente  daquilo que se esperava e muito melhor que outros países em situação  semelhante", afirmou o economista, durante uma conferência na Universidade de  Verão do PSD, em Castelo de Vide." (PÚBLICO online)

 

O consultor António Borges, pelo que tem dito

e pelo que já disse.

Merece entrar no estrito clube

dos cromos das raças humanas.

 

M. Pinto

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:17

"ENTÃO E AS NOTÍCIAS SOBRE ANGOLA? NÃO SE PASSA NADA?

por oligofrénico, em 30.08.12

"Talvez o mais preocupante sinal dos condicionamentos à liberdade de informação em Portugal se revele no estranhíssimo silêncio sobre o que se passa em Angola. Em Angola estão a decorrer eleições, todo o mínimo protesto é reprimido por uma combinação de polícias e milícias do MPLA, as condições do acto eleitoral são contestadas pelo principal partido da oposição, a UNITA, que ameaça não ir às urnas nestas circunstâncias. Dentro e fora de Luanda, tem havido e estão anunciadas grandes manifestações da UNITA, ameaçadas sempre de contramanifestações do MPLA. Na verdade, nem isto se sabe pela comunicação social portuguesa, sabe-se pela circulação de fotografias, informações dispersas e algumas declarações corajosas de angolanos que são silenciadas em Portugal.


Em Angola está tudo bem, os negócios vão de vento em popa, o dinheiro vindo da corrupção e do nepotismo flui para os bancos portugueses em malas, importantes posições na banca, em empresas estratégicas e na comunicação social são compradas por membros da elite do poder angolana. Presume-se que ainda mais compras vão ser feitas, em particular na comunicação social, dados os apertos financeiros dos grupos portugueses e as boas relações de governantes locais com os corruptos de lá, ambos partilhando a ideia de que o dinheiro nunca teve cor e isso das ditaduras corruptas em África é “normal” para criar “países”. Usei a palavra corrupção várias vezes nas frases anteriores, devia usar mil, porque ainda gostava que alguém me explicasse de onde vem o dinheiro de gente que, fora das relações de poder no MPLA e com o Presidente e a família, nunca teve qualquer actividade que explique os milhões que tem, seja sequer uma lanchonete numa rua de Luanda.

Escrevo isto, com a sensação muito forte, de que, a continuar assim, em breve isto não vai poder ser escrito na comunicação social portuguesa."
Pacheco Pereira (blog ABRUPTO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:20

CRISE SOCIAL

por oligofrénico, em 30.08.12
 




"… um passo importante na crise social vai acontecer, que não tem sido muito falado. Já não me refiro às muitas pequenas empresas, por exemplo restaurantes, que já não vão abrir depois de férias, e ao aumento do desemprego de quem tinha trabalho sazonal no turismo. Refiro-me ao facto de muitos milhares de famílias que pela primeira vez não vão ter dinheiro para pagar os impostos. Setembro é um mês de impostos, e a necessidade absoluta das Finanças, encarregou-se de antecipar todos os prazos. Os impostos de Setembro são os mais pesados, em particular o IRS, e no momento das contas vai-se sentir, também pela primeira vez, o aumento brutal da carga fiscal. Setembro será também o mês em que muitas famílias, ao não terem, sublinho, pela primeira vez, dinheiro para pagar os seus impostos, vão cair nas malhas das execuções fiscais e no terreno cada vez mais amplo das coisas que não podem fazer, por não terem os seus impostos em dia. O governo sabe isto e está também, pela primeira vez, muito preocupado pelo clima de instabilidade social. O que não sabe é o que há-de fazer, mas isso é outra história."

 

Pacheco Pereira (Blog ABRUPTO)


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:11

LER

por oligofrénico, em 29.08.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:11

CAFÉ SEM NATAS

por oligofrénico, em 29.08.12

"Numa cafetaria, alguém pede um café sem natas. O empregado lamenta: "Desculpe, mas já não temos natas. Temos leite. Posso trazer-lhe um café sem leite?"

A anedota retirada de "Ninotchka", de Ernst Lubitsch, foi usada por Slavoj Zizek (...)

 

in Expresso

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:03

SÓ TEMOS A MÚMIA?

por oligofrénico, em 29.08.12

"O exercício da cidadania numa democracia não se esgota na prática do voto durante as eleições – ainda que seja a isso que se limita a prática democrática da maioria dos cidadãos, para não falar do número, crescente, daqueles que se abstêm até desse gesto mínimo. Espera-se de um cidadão responsável que, na medida das suas possibilidades e interesses, aja politicamente, que participe nos debates políticos onde estão em causa os princípios que moldam a vida pública e as normas da vida em sociedade, que tome posição, que defenda os seus pontos de vista e os seus interesses usando os meios à sua disposição, da discussão pública no café ou no Facebook ao uso dos meios de comunicação clássicos e de outros fóruns. (José Vítor Malheiros)

 

Espera-se de um cidadão responsável que interpele os poderes, que use os instrumentos legais para o fazer, da participação em reuniões públicas da sua autarquia ao lançamento de petições e abaixo-assinados, que promova iniciativas legislativas cidadãs e envie projectos de lei ao Parlamento. Que participe nas organizações profissionais e sindicais que lhe dizem respeito, que lute por condições que garantam maior equidade, justiça e bem-estar para si, para os seus camaradas de trabalho e para a sociedade em geral. Que se envolva na actividade partidária, que participe em movimentos de cidadãos, que se envolva em organizações de defesa dos direitos humanos, de defesa do ambiente, de promoção do património cultural, de solidariedade social, que faça trabalho voluntário para causas humanitárias. Que se envolva nas organizações que visam melhorar as condições de vida do seu bairro, da sua cidade, da sua escola ou do seu emprego. Que denuncie os crimes de que tem conhecimento ou suspeita, que não feche os olhos à corrupção.

Espera-se de um cidadão responsável que reclame e que se indigne, que proteste e que se manifeste no espaço público em defesa dos direitos de todos, que promova concentrações, que organize manifestações, que lance palavras de ordem, que mobilize os seus concidadãos para as causas que lhe são mais caras.

Espera-se de um cidadão responsável numa democracia que não se cale e não se acomode, porque é esta inquietação e este envolvimento, são estas palavras e estes gestos, são estes sentimentos de dever e de responsabilidade para connosco, para com os outros e para com os nossos filhos que constituem o sangue da democracia – e não os rituais cada vez mais desprovidos de sentido das eleições, que nada ou quase nada mudam, onde apenas se escolhem nomes de entre opções pré-seleccionadas por umas dezenas de apparatchiki desconhecidos e de idoneidade duvidosa, onde todos os compromissos são jurados mas nenhum é cumprido, onde nenhuma responsabilização individual é possível, onde as opções possíveis estão limitadas a um oligopólio de partidos e onde o poder, faça-se o que se fizer, nunca foge a um cartel que tem como credo o servilismo absoluto ao poder corrupto e nunca escrutinado da finança.

Estes cidadãos responsáveis e empenhados são essenciais à democracia porque uma democracia que só se anima durante um dia de quatro em quatro anos não é uma democracia, mas apenas a múmia seca de uma democracia. Só que estas acções, esta agitação democrática, só fazem sentido se ela estiver de facto entretecida com a democracia das organizações, dos partidos, da política, do poder, do Estado. Esta vida democrática só faz sentido e só a declaramos como vital porque pressupomos que, nas organizações da sociedade, nos poderes e no Estado, alguém a ouve e que ela alimenta a acção política. E a nossa natural bondade gosta de pensar que esse alguém que ouve o povo é um poder benigno ou pelo menos que tenta ser justo ou, no mínimo, prudente. Gostamos de pensar que entre esta sociedade civil (para usar a fórmula consagrada) e um Estado democrático existe diálogo e que todas as manifestações dos cidadãos são de facto ouvidas, levadas em conta, pesadas. E que, em caso de grande dissidência, existe sempre a Justiça para arbitrar os conflitos.

Mas… e quando isso não acontece? E quando do lado do poder temos governantes sem escrúpulos e que apenas conquistaram o poder mentindo? E quando se fazem surdos a tudo porque a única coisa que querem é construir uma sociedade de senhores e de escravos invocando a legitimidade do seu mandato para governar? E quando tudo o que pretendem é espoliar o Estado das suas riquezas para as entregarem aos donos dos negócios onde eles já asseguraram o seu emprego futuro? E quando os tribunais aceitam suspender a lei para se submeterem aos ditames deste Governo? E quando as regras do jogo limitam os cidadãos, mas os governantes podem fazer batota? E quando todos os dados estão viciados? E quando todas as formas de intervenção democrática que não sejam a múmia estão bloqueadas aos cidadãos?

José Vítor Malheiros – “Público” 28 Ago 2012

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:24

A CATALUNHA E A MADEIRA

por oligofrénico, em 28.08.12

"O governo regional (Generalitat) da Catalunha decidiu hoje pedir ao Governo de Espanha um resgate de 5023 milhões de euros, mas anunciou em simultâneo que não aceitará condições políticas, mas que aceitará condições económicas." (PÚBLICO online)

 

A Catalunha faz-me lembrar a Madeira.

Riqueza, desenvolvimento, progresso.

Nas palavras dos seus governantes.

Com o dinheiro dos outros. Pois claro.

Queriam a independência.

Agora pedem dinheiro ao Governo central.

Uma tristeza.

 

M. Pinto

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:36

PRAIA ALFACINHA

por oligofrénico, em 27.08.12

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:47

O MUNDO A FUNCIONAR

por oligofrénico, em 27.08.12

O príncipe Harry nu.

A troika quase a chegar.

Banqueiros chamados a S. Bento.

O Neil Armstrong teve uma "complicação imprevista".

"A lâmpada de Edison vai apagar-se de vez".

A RTP-2 vai acabar.

Mourinho já não é especial é único.

É o mundo a funcionar!

 

M. Pinto

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:43

O FIM DA RECESSÃO SEGUNDO O SENHOR DOS PASSOS

por oligofrénico, em 15.08.12

"Foi o próprio que marcou essa diferença: se há um ano estávamos a entrar na grande depressão, como mostrou a realidade que contradisse as previsões, este ano estamos a começar o percurso da retoma. Pedro Passos Coelho nunca usou a palavra, foi até bastante cauteloso, mas deixou clara a mensagem. “Estamos mais próximos de vencer a crise e voltar uma das páginas mais negras da história da nossa pátria.” Mais: “2013 será o ano da inversão na actividade económica.” Ou ainda: “2013 será o ano da estabilização económica e preparação da recuperação.” (PÚBLICO online)

 

Em 2013:

- Vai aumentar escandalosamente o IMI;

- Vai haver menos 20000 professores nas escolas;

- Vão continuar as carreiras congeladas na função pública;

- Não vai haver aumentos de ordenados, a que acresce a inflação;

- Vão inventar um novo imposto para colmatar a inconstitucionalidade do corte dos  13º e 14º meses;

- O crescimento económico não vai, na melhor das hipóteses, atingir 1%;

 

E Passos chama a isto o fim da recessão. Eu diria que é o fim do descaramento.

"Da-se" como diria o Fernando Assis Pacheco.

 

M. Pinto

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:08

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds